domingo, 25 de setembro de 2016

O Monstro


eu sou um monstro,
e engulo tudo pelo caminho.
eu ignoro o seus erros.
pois errar é humano.
e sou apenas um monstro.

e quando você olhar para o espelho
verá-me nele refletido
e eu assistirei seu choro contido.
estarei preso através do pesadelo reprimido.

acho que não preciso fazer sentido 
sou um monstro,
detono tudo pelo caminho
o mostro do capitalismo, do egoísmo 
e para certas sociedade 
sou o mais temido.
devoro suas crianças, seus filhos
o mostro da fome
do idealismo 
surreal, sutilmente infalível

sou um mostro através do espelho 
estou perto, talvez no quarto de brinquedos
esperando para devorar suas ideias 
todo que há de mais bonito
afinal sou um monstro
e engulo tudo pelo caminho.

sábado, 10 de setembro de 2016

Mesmos Erros.


Por favor, não me deixe errar.
Guie meus passos pelo deserto.
Não me deixe errar.
Pois você é meus olhos nessa escuridão.
Não me deixe chorar,
Lágrimas de saudade.

Por favor, não me deixe errar.
É tão frio lá fora.
E a noite parece tão encantadora no seu sorriso.
Não me deixe errar,
Pois a primeira pedra em minha mão,
Sempre é a pedra angular.

Não me deixe errar.
Não me faça se arrepender dos nossos beijos
Por favor, não bagunce meus sentimentos.
Poderia ser mais um grito violando seu silêncio.
Por favor, não me deixe estar sempre certo.

Não me deixe pagar pelos meus erros.
Não me deixe rasgar seus vestidos.
Não há mais tempo.
Não há mais vinho.
Para nos embriagar pelos seus risos.
Não me deixe esperar,
Mais um dia em que sempre me senti sozinho.

Por favor, não me deixe errar.
E desperdiçar meus versos.
Não há mais tempo,
Para atender todos os seus pedidos.
Não me deixe errar.
Não corra esse risco.
Tudo que eu quero, conquisto.
Pois tenho você no meu caminho.

Não me deixe errar.
E jogar todo esse amor pelo caminho.
Que desperdício!
Acho que nunca mais vou amar.
Se este for meu único erro.

Por favor, não me deixe errar.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Borboletas...


Você voou para longe de mim.
Eu confesso que não queria que fosse assim,
Anjos têm asas para voar, eu sei?
Mas para proteger também

as vezes e difícil traçar o mesmo caminho,
Especialmente quando se está sozinho,
Mas você foi e eu deixei você ir 
Para você talvez seja um alívio 
Para mim foi só mais um desafio.

Lembro-me das cartas de amor que te enviei.
Com tantos erros, desejando apenas um beijo,
Mas você nunca me respondeu 
E mesmo assim lembrei do seu aniversário
Te enviei um lindo presente
Mas você nunca o recebeu

A vida nos prega cada peça,
Parece mais uma roda-gigante.
Mas nem tudo é como queremos,
Mas sim como merecemos

Mas não importa o quanto o mundo rode,
Quanto tempo vai levar para você voltar para mim.
Sei que borboletas sempre voltam, 
basta eu cuidar bem do meu jardim.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

O som das folhas.



Ainda ouço o som das folhas.
Sussurrando pensamentos de sonhos eternos.
Ainda espero ser sua.
E você meu eterno cavaleiro.

Ainda danço com minhas sombras.
Ainda banho as minhas plantas,
Com lágrimas de um amor que ainda tenho.
A certeza que será minha esposa.

Ainda vejo a luz por trás do muro.
Ainda vejo meu reflexo no espelho.
Ainda corro para os seus braços, eu juro,
Ainda ganho seu beijo.

Ainda ouço o som do vento.
Assobiando meus suspiros.
Ainda tenho medo.
Da morte levar meu espírito,
Antes que seja tarde.
Antes que o inverno chegue e me mate.
As folhas que murmuram, aos meus ouvidos,
As juras que fiz naquela árvore.
Quando éramos somente amigos.

domingo, 29 de novembro de 2015

Nosso Mundinho.



eu sei as vezes não dá certo.
as vezes quebramos a cara
machucamos um ou dois dedos.
mas saímos dando risadas.
ou chorando, depende dos acontecimentos...

eu não sou perfeito,
nem procuro ser o herói destemido.
talvez falta-me mais engajamento
mas todos tem seus medos,
não é?

as vezes me sinto cansado.
as vezes sou tomado pelo desespero.
mas, tudo bem?
pois no seu sorriso eu encontrei
um motivo para trilhar meus caminho.

talvez tenhamos um ou dois filhos.
ou talvez, não chegaremos a ser um casal de velhinhos.
mas o importante e que temamos um ao outro.
e tudo mais conquistamos aos pouquinhos.
pois o que são momentos quando se estar sozinho?
se com você o tempo parece mais divertido
é nisso que eu acredito
eu e você e nosso mundinho.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Refletir





Só espero encontrar em seus braços
Alívio para minhas lágrimas,
que seu abraço,
possa trazer o sorriso de volta em meus lábios.


posso estar enganado,
você pode até dizer que eu sou um sonhador.
mas espero que em meus delírios desvairados
Não me perca na minha dor.

às vezes me pego desfilando versos.
suspiros de amor,
as vezes penso que sou inventor,
inventando qualquer desculpa para ganhar seus beijos.

as vezes conto meus passos pelo quarto.
as vezes finjo ser outro alguém.
as vezes não dou razão aos meus sentimentos.
as vezes olho no espelho e não me reconheço
vejo sua imagem no reflexo.
vejo nós dois num mundo perfeito.
e o quebro, abrindo em mim um corte.
e assim espero.
o eterno descanso da morte.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Casa Moinho Comigo.


nem tudo é como parece ser.
Tudo começou com um beijo.
Mas poderia ser um abraço.
uma lágrima, uma despedida em seus braços.

e eu andando por ai.
e você por ali.
finalmente juntamos nossos trapos.

o amor não é algum frágil?
quem o inventou não teve o cuidado,
e derrubou seu frasco.

Por que essas lágrimas?
Não vê que estou sempre ao seu lado.
momentos são como o vento.
e só o museu vive de passado.


a gente poderia construir uma casa.
com um jardim, uma rede.
um lugar para reunir os nossos amigos.
ouvir meus discos, ler seus livros.

encontrei a vida no seu sorriso.
e como Adão e Eva.
ficarei triste se eu sair desse paraíso.

a gente podia discutir nossa vida horas e horas.
ou aproveitar o calor do silêncio.
Sei que você não gosta da sua sogra.
mas vamos vivendo cada momento...

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Sussuros Solitários




Não chore meu bebê,
Vou buscar a toalha para você se secar.
Que se dane o que os outros acham,
Ou o que vão achar.
Eu estou bem aqui,
Suas armas você pode guardar,
O amor tem um gosto doce,
As vezes nos impede de agir.

O mundo é muito grande,
As para conquista-lo basta sorrir,
Sei que eles parecem gigantes,
Mas não deixe eles te diminuir,
A vida é como roda gigante,
Toma aqui seu algodão-doce.

Eu aprendi com meus erros,
Levei tombos, ninguém se importa com meus acertos.
Preciso passar naquela prova.
Por favor, não deixe ele me levar embora.
Estou distante agora!
Estou morrendo de medo...
Do escuro, chorando
Atrás da porta...

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Você em Minha Mente.







Porque você não sai da minha Cabeça. 
Você não vê que tá me deixando doente.
Você é pior que aquelas prostitutas.
Fique bêbada e me dê seu dinheiro.
Porque você não deixa eu dormir
Não deixa eu correr,
Aprisionando em seu beijo
uma prisão de onde não consigo sair.

Fique bêbada e me dê seu dinheiro. 
Você não vê que estou doente.
Preciso comprar algo maneiro
Para você sair da minha mente.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Holística.



Tudo é poema.
Tudo é poesia.
Tudo é sistema.
Tudo é simetria.

Tudo é simpatia.
Que está embutido na sua covardia.
Tudo é poema,
Tudo é poesia,
Tudo é magia,
Que está contida no seu coração,
Sacrificado numa hora tardia.

Tudo é encanto.
Tudo é política.
Que está em cima do balanço.
Por debaixo da sua fantasia.

Tudo é poema.
Tudo é vida.
Tudo que era mentira.
Verdade se vira.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Memórias - Declamado pro Carlos Drummond de Andrade. [vídeo]

video

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.

domingo, 5 de julho de 2015

Antônio Abujamra declama Fernando Pessoa - O guardador de rebanhos VIII




Num meio dia de fim de primavera
Tive um sonho como uma fotografia
Vi Jesus Cristo descer à terra,
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.


Tinha fugido do céu,
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.
No céu era tudo falso, tudo em desacordo
Com flores e árvores e pedras,
No céu tinha que estar sempre sério
E de vez em quando de se tornar outra vez homem


E subir para a cruz, e estar sempre a morrer
Com uma coroa toda à roda de espinhos
E os pés espetados por um prego com cabeça,
E até com um trapo à roda da cintura
Como os pretos nas ilustrações.
Nem sequer o deixavam ter pai e mãe
Como as outras crianças.
O seu pai era duas pessoas -
Um velho chamado José, que era carpinteiro,
E que não era pai dele;
E o outro pai era uma pomba estúpida,
A única pomba feia do mundo
Porque não era do mundo nem era pomba.
E a sua mãe não tinha amado antes de o ter.


Não era mulher: era uma mala
Em que ele tinha vindo do céu.
E queriam que ele, que só nascera da mãe,
E nunca tivera pai para amar com respeito,
Pregasse a bondade e a justiça!


Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três,
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz...

sábado, 4 de julho de 2015

Rascunho: O Coelho e o Jovem Mago







"E assim começa nossa história.
Com um coelho tirado da cartola?
Ou seria um cajado?
De qualquer forma seu companheiro era um jovem mago.
Andando pelo deserto escaldante.
Seguia o mago e o coelho falante..."

Tirar




Tire-me a vida,
Quando eu não puder mais amar.
Quando a solidão chegar.

Tire-me o amor.
Quando eu não puder mais respirar.
Quando meu sorriso se apagar.

Tire-me a harmonia.
Quando a angustia,
Me dominar.


Só não tire-me você.
Pois você é meu pilar.
Você é a razão desse poema.
Minha razão de ser.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Não Importa.




A guerra foi vencida.
O assassino está morto.
Eu cruzei a linha.
Não há perdão para os meus pecados.
Minha mulher está aqui.
Meus filhos também.
Sinto-me feliz.
Vendo o passado bem ali.


Eu não sou santo.
Não sei usar sapatos de salto alto.
Não conseguir enterrar meus fantasmas.
que no meu coração acorrento.


Isso é tudo que tenho.
Algumas balas e uma automática.
vamos brincar de roleta russa.
Mas isso não importa mais.



Meus filhos me chamam de herói.
Mas eu cruzei a linha.
isso pode ser magia,
ou loucura,
afinal, isso não me importa mais.

domingo, 7 de junho de 2015

Amor te Amo.



Eu te amarei até o dia que eu morrer.
Até minha vida esvaecer.
Até o dia amanhecer.
Até o mundo acabar.
Até a vela se apagar.
Até a lona abaixar.
Até os aplausos extinguirem.
Até as pessoas esquecerem.
Até quando Deus abençoar.
Até o livro terminar.
Até o meu último respirar.
Até os céus desabarem.
Até as crianças crescerem.
Até a morte chamar.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Um Pequeno Esforço.






Lute, não chore
Mais,
Os vaga-lumes parecem estrelas
E as rosas perdem sua beleza.
Baby, lute!
Um pouco de esforço nunca é demais.

Pode ser que te carreguem,
E que carreguem a bandeira.
Pode ser que guardem sua espada.
Mas você me fez uma promessa.
De lutar pelo que você ama.

Baby, não chore, lute!
Até não poder mais.
Um pouco de esforço nunca é demais.

Mesmo que você não vire uma borboleta.
Que saia voando ou dê piruetas.
Mesmo que o vermelho venha cobri-lhe a cabeça.
E a vida se esvaia em beleza.
Baby, não chore mais.
Lute!
Um pequeno esforço nunca é demais!

domingo, 3 de maio de 2015

Conveniência






Fale que você vem,

que eu vou de trem,

pois qualquer desculpa me convém.

Para sair na rua,

para mudar a nossa conduta.

Para te ver toda nua.




Hoje eu sei que não sou mais o mesmo,

cansei de brigar com o tempo.

Ser um palhaço sem sentimentos.

Para te fazer sorrir.

Só porque um sorriso lhe cai bem.




Por que você não me chama para dançar?

Ir para qualquer lugar,

tomar um gole de vinho.

Achar o mundo mais bonito.

Mas tudo lhe convém.

Para ser amado,

para ser ninguém.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Cela





E qual é o homem que não inspira outras pessoas a se libertarem dos seus medos?
Eu que não aprendi a julgar os meus pesadelos,
Vivo sentado no quanto escuro do meu quarto.
Eu de que a coragem não tenho um décimo.
Aprendi a pedir misericórdia dos meus erros.

E qual é o homem que não se entrega a seus devaneios?
Eu que tive o luxo das vaidades,
Aprendi que o silêncio faz bem a alma.
Que o salmão e o vinho.
Tem o mesmo gosto que o pão e a água.

E qual é o homem que não se quer ver livre de suas correntes?
Eu que estou preso aos meus pecados,
Tenho sonhado a cada dia com a bendita liberdade.
Mas não consegui seguir seus conselhos
Eu que já andei em campo livre.
Não vejo a esperança além da cela.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Quebre a Janela.





Quebrei a janela,
E o amor queimou minha face.
Achei uma brecha,
Para a liberdade.

Quebrei a janela
E o muro feito de mentiras,
Passei por cima.
A minha vida era falsa.
Era de aquarela.
Desfazendo-se na chuva.
Deixando sequelas.

Quebre a janela.
Faça uma corda com seus preconceitos,
E desça para a rua.
Venha festejar,
Cantar tudo que é belo.
Quando estamos felizes,
É porque  Deus tocou nossa alma.

Quebre a janela.
Deixe a porta aberta.
Deixe que o vento sopre.
Que os espíritos gritem.
Que a vida aflore.
Que o a amor nos liberte.
Related Posts with Thumbnails