boo-box 1

domingo, 17 de agosto de 2014

Colecionar.




As vezes só quero ouvir sua voz,
Falar qualquer besteira.
Para alimentar minha alma
De uma alegria infinita...
As vezes só quero suas mãos
Para acariciar meu rosto...
Para limpar minha lágrima de tristeza

As vezes quero o seu sorriso
Para iluminar meu caminho,
Para saber que nunca estou sozinho,
Para lembrar que ainda sou menino
Seu menino.

As vezes quero suas lágrimas
Para colecionar seus sentimentos
Para guardar nossos momentos
Para lavar minha alma de todo o pecado
Para redimir meus erros
Para escrever poemas
Para compartilhar amor
Mas ganhar da morte
Para enfrentar o que for....

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Noturno - Ariano Suassuna








Noturno

Têm para mim Chamados de outro mundo
as Noites perigosas e queimadas,
quando a Lua aparece mais vermelha
São turvos sonhos, Mágoas proibidas,
são Ouropéis antigos e fantasmas
que, nesse Mundo vivo e mais ardente
consumam tudo o que desejo Aqui.

Será que mais Alguém vê e escuta?

Sinto o roçar das asas Amarelas
e escuto essas Canções encantatórias
que tento, em vão, de mim desapossar.

Diluídos na velha Luz da lua,
a Quem dirigem seus terríveis cantos?

Pressinto um murmuroso esvoejar:
passaram-me por cima da cabeça
e, como um Halo escuso, te envolveram.
Eis-te no fogo, como um Fruto ardente,
a ventania me agitando em torno
esse cheiro que sai de teus cabelos.

Que vale a natureza sem teus Olhos,
ó Aquela por quem meu Sangue pulsa?

Da terra sai um cheiro bom de vida
e nossos pés a Ela estão ligados.
Deixa que teu cabelo, solto ao vento,
abrase fundamente as minhas mão...

Mas, não: a luz Escura inda te envolve,
o vento encrespa as Águas dos dois rios
e continua a ronda, o Som do fogo.

Ó meu amor, por que te ligo à Morte?



Uma Singela homenagem para um dos maiores mestres do sertanejo nordestino um Pensador com P maiúsculo, um gênio que foi para abençoar o Sertão lá de cima junto com Maria Aparecida...

sábado, 19 de julho de 2014

A Porta






Só quero que você feche a porta,
E deixe seus problemas lá fora.
Só quero que seu sorriso ilumine meu dia.
E a tristeza, com o amanhã, vá embora.

Eu só quero que você feche a porta.
E que o frio do inverno vá embora.
Buscarei calor em seus braços,
E o amor em seus lábios.
Que seu sorriso seja a solução para minha duvidas.
E que suas lágrimas perdoem a minha culpa.

Feche a porta.
Está chovendo lá fora.
Traga um convite para a festa.
Faça com que a solidão vá embora.
Faça com que os fantasmas morram agora.
E, por favor, feche a porta.

sábado, 21 de junho de 2014

Resenha: Dragões de Éter - Vol I - Caçadores de Bruxas









Título: Dragões de Éter – Vol I – Caçadores de Bruxas
Autor : Raphael Dracco
Editora: Leya
Ano: 2013
Páginas: 438



Bem-vindos ao mundo do fantástico, do impossível que se torna possível. Um mundo onde Reis são reis escritos com “R” maiúsculo. Um habitat de fadas e trolls gigantescos, onde a vida é formada por uma partícula de energia de matéria semidivina, e deuses, criação e criatura se confundem o tempo todo. 

Afinal quem não ficou curioso para saber o que aconteceu com a pobrezinha da Chapeuzinho Vermelho após ver sua querida vovozinha ser devorada por um imenso lobo mal? Ou o destino de João e Maria após escapar da terrível bruxa na casa dos doces? Encontre essas respostas no primeiro volume de Dragões de Éter.

sábado, 24 de maio de 2014

Você Vai Ver.







Você vai ver.
Vou brilhar para o sol
Vou resolver meus problemas
enquanto você assiste a TV
vou correr os risco e me afundar numa banheira de formol.


você vai ver ...

vou comprar o carro mais caro
e bate-lo na próxima esquina
esperar o verão passar
para pôr você na minha lista
pois é
você vai ver...

vou ganhar na loteria
vou ser alguém na vida
vou morrer consertando as coisas
que você mesmo quebrou
vou correr o risco
e recuperar o nosso amor.

domingo, 20 de abril de 2014

Solidão e Vinho





Procuro seus lábios,
Mas só encontro a solidão.
Sonho em me perder em seus braços,
Mas a tristeza invade meu coração.

A vida parece sem graça sem você por perto.
Seria como está caminhando no mais doloroso deserto.
Onde minha única companhia é o som dos meus passos.

Procuro alguém para sanar essa dor.
Alguém com um pouco de gênio e loucura.
Alguém que me tire desse inferno,  
Que me mostre a cura.
Para pesadelos tão incertos.

Sou um andarilho viajante,
Poeta sem musa,
Violeiro sem música.
Sou um verme rastejante.
Implorando por pão e vinho.
Por qualquer companhia no meu caminho.
Por um amor que esperei sozinho.

sábado, 5 de abril de 2014

A Poesia.








a poesia se infiltra
se mistura
se enraíza.

a poesia é dinâmica
é roda vivida
é olhar cosmopolita

a poesia é rio de vida
é sonho de noite não dormida
a poesia é língua viva

a poesia é suor e sangue
é pobreza e realeza
é contraste e harmonia
a poesia é rua sem esquinas

poesia é o sabor do beijo
é a sensação do pensamento
é a solução para solidão
é dádiva que instala na ponta dos dedos...

sábado, 22 de março de 2014

Drummond Por ele mesmo: Mundo Grande [Poema]



Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso freqüento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.

Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.

Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem… sem que ele estale.

Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma, não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo…
Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos – voltarão?

Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)

Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.

Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante exaustivas e convocando ao suicídio.

Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
de que o mundo, o grande mundo está crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.

Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
– Ó vida futura! Nós te criaremos.

(Carlos Drummond de Andrade)

quarta-feira, 12 de março de 2014

Esperar...






você me feriu
e na sua ilusão eu me perdi
como o doce veneno do escorpião
a minha vida não valeu nada
em suas mãos

mas eu estarei aqui
esperando... esperando...
e quando você se cansar da vida, de tudo
eu ainda estarei te esperando..
pois a vida não é em linha reta
e o tempo é um ciclo, uma esfera
você pode navegar pelos 7 mares
mas nunca enganará seu coração
e ecoará pelo vento
meu chamado, meu medo
esperando.... esperando...
por você todo esse tempo...

Para alguém que não sabe amar (incluindo eu) ...

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Andarilho...




ando na lua,
mas nunca passei na sua rua,
ando descalço,
pois já atravessei cada percalço

sou caminhante de outro espaço
dos sonhos sou navegante,
e trago uma bolsa cheia de fatos
que nunca serão consumados.

sou pedestre,
sou andarilho sem mestre,
ando ao vento,
ando desconexo,
ando com o som dos meus passos
e a cada passo dado
cruzo um horizonte imaginário
.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Outro Espaço.



Sou astronauta de outro espaço,
Sou de outra época.
Feito de barro,
Procurando vida em outro planeta.

Vi macacos dominarem a Terra
Governos prometendo o mundo e o fundo
E você sentando esperando a cerveja,
Enquanto jovens ideias morrem com as guerras

Vim de uma lata e um monte de fios
Seu capital ainda não consertou minha perna
E o que será da fome que devora seus filhos?
Enquanto você fica sentando com a TV ligado tomando longos goles de cerveja.

Sou um Extraterrestre
Onde o gosto do seu beijo tem um quê de rupestre.
E ainda arruma uma maneira de levar você para o meu mundo,
Mesmo que o mundo mude e o deserto nos deixe imundos.

Sou visitante de outro espaço
E quando a vida acaba a morte vem com seu abraço
A sua filosofia não tem mais questões para tal paradigma
E o que faço,

é estar sempre correndo atrás de outro espaço.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Expresso...



expresso?
não, obrigado, não tenho expressão
não, não expresso nenhuma opinião
não gosto do gosto que fica na sua mão
expresso o meu não
não tenho medo de expressar
a minha negação
expresso, por favor, não.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Poeria e Vento.









Quando abro meus olhos e vejo que vc não está aqui.
meu coração pulsa em um ritmo diferente
é como perdesse o chão diante de mim
como o vento roubasse lentamente o sangue das minhas veias.

escuto o sussurro do vento
abro os braços para um convite, um desejo
mas as ilusões não substituem seu beijo.

vago pelo desejo da solidão.
onde as areias do tempo corroem meus pensamentos.

tento fugir de uma realidade de vidro
a vida parece uma vitrine e eu apenas um boneco
exposto ao sol, ao frio, ao relento
vendo os dias comerem meus sapatos.

eu só quero que o dia termine bem
que o seu amor liberte-me
se isso lhe convêm
não quero mais sentir em meus lábios
o gosto ácido da tristeza.

espero que você entenda meu sacrifício
que isso tudo foi só para tirar dos seus lábios um sorriso
e a mágica no amor renascerá em seus olhos
e como um último grito, um lamento, um suspiro
quero que chegue mais uma vez em meus ouvidos
a frase:“eu te amo”…
Related Posts with Thumbnails